fbpx

Campanha de Financiamento Coletivo

Leonel Franca

R$ 6.270

de R$55.000,00
11.4%

91

financiadores

Restam:

Dias
Horas

A Campanha:

A Formação da Personalidade e O Método Pedagógico dos Jesuítas, duas obras do Padre Leonel Franca, formam o que pode ser chamado de núcleo pedagógico de seus escritos. São livros que, agora reeditados, prestam-nos um serviço fundamental nos dias de hoje; dias de uma pedagogia molenga e de personalidades refratárias.

A publicação das obras se dará por esta campanha de financiamento coletivo: estabelecemos uma meta de arrecadação para a publicação dos livros e um prazo de duração da campanha. Sendo uma campanha com dois livros, estes podem ser adquiridos separadamente ou em conjunto. Além disso, há uma cota “premium” imperdível.

Motivos para colaborar:

1 – Você estará contribuindo para a reforma pedagógica brasileira;
2 – Você terá o livro ou os livros antes de todos;
3 – Pagará um preço menor pela obra;
4 – Terá seu nome registrado nela;
5 – Não vai pagar frete (nas duas cotas maiores);
6 – Marca página de brinde;
7 – Para quem optar pela cota maior leva 8 palestras.

Bem, falemos um pouco do autor dessas obras magnificas e posteriormente, mais detidamente, das obras.

O Método Pedagógico dos Jesuítas - R$ 35

Com essa cota você recebe um livro e tem seu nome registrado no mesmo.

Os dois livros - R$ 85

Com essa cota você recebe um livro de cada e tem seu nome registrado em ambos. Frete grátis.

A Formação da Personalidade - R$ 50

Com essa cota você recebe um livro e tem seu nome registrado no mesmo.

Os dois livros + palestras - R$ 125

Com essa cota você recebe um livro de cada e tem seu nome registrado em ambos. Frete grátis. Além disso, terá acesso a 8 palestras sobre educação jesuítica.

O Autor:

Leonel Franca (1856-1948), foi um padre jesuíta que se dedicou à fundação e consolidação da primeira universidade particular do país. Conferencista de cultura profunda e vasta, suas palestras representavam acontecimento intelectual de primeiro plano. Nessas ocasiões, levava a auditórios lotados figuras ilustres como Epitácio Pessoa, Pandiá Calógeras, Jackson de Figueiredo, Alceu Amoroso Lima, Sobral Pinto e Murilo Mendes.

Formado em letras, próprio da formação dos jesuítas, cursou, em Roma, o triênio de Filosofia na Universidade Gregoriana e praticou o magistério no Colégio Santo Inácio. Seu primeiro livro, “Noções de História da Filosofia”, surgiu como prolongamento das aulas que ministrava, tornou-se um “best seller”, sendo lido, citado e usado em cursos de Filosofia até os dias de hoje.

Novamente em Roma, cursou Teologia por quatro anos tendo sido ordenado Sacerdote em 1923. Doutorou-se em Filosofia e Teologia em novembro de 1925. De volta ao Brasil, Leonel Franca ensinou aos estudantes jesuítas no Colégio Anchieta, em Nova Friburgo, onde estudara anos antes.

Em 1939 o Concílio Plenário dos Bispos do Brasil decidiu criar a Universidade Católica do Brasil, no Rio de Janeiro. Dom Sebasitão Leme, Cardeal Arcebispo do Rio, encarregou seu conselheiro, Pe. Franca, desta missão. Em outubro de 1940, um decreto Presidencial criava as “Faculdades Católicas”, que começaram a funcionar no ano seguinte, tendo como Reitor o próprio Pe. Franca.

Em 1945, as “Faculdades Católicas” passaram ser chamadas de Universidades e ,dois anos depois, de Pontifícias, tal como a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio. Apesar da sua saúde extremamente debilitada, Pe. Franca continuou a ocupar o cargo de Reitor, dada sua liderança inconteste, provavelmente o mais ilustre Padre no país, tanto pela sua cultura, como pela santidade de vida, até sua morte a 03 de setembro de 1948.

A Formação da Personalidade

Esta obra, composta por diversos escritos pedagógicos e morais de Leonel Franca e lançada originalmente em 1938, contém textos acumulados de toda a vida de estudos do autor além de alguns discursos e palestras.

É uma obra que nos desafia a arregaçar as mangas, pegar no arado e mover os sulcos empedrados e desnutridos de nossa alma.
Em suma, uma obra que molda caráter!

Informações técnicas:

– Páginas: 520
– Capa: Brochura
– Miolo: Em papel creme
– Tamanho: 21cmx14cm

Trecho inicial do capítulo I – Formação:

“Quem diz formação diz esforço para adquirir ou comunicar uma forma. E forma tem, aqui, não o seu significado óbvio e corrente de feitio, figura, aparência externa das coisas, forma; mas o sentido mais profundo e filosófico de perfeição, atuação de uma potencialidade anterior. Formar-se é, no sentido amplo, adquirir novas qualidades, acordar perfeições que dormiam nas possibilidades da nossa natureza.
Nessa acepção formação é quase sinônimo de cultura, e a análise de uma destas noções esclarece a outra. A palavra cultura, aplicada ao homem, é metafórica e deriva da analogia com os campos, aos quais se aplicam primeiro e ainda se aplica em sentido próprio.

Cultivai – Agricultura. Tomai uma terra no seu estado nativo; cardos e espinhos, ervilhaca e tiririca; plantas úteis e ervas venenosas – tudo em desordem e confusão – é uma terra brava – selvagem. Passai-lhe o arado, arroteai-a, enriquecei-lhe com adubos apropriados a fecundidade natural e tereis jardins, pomares e plantações: é uma terra cultivada. Transportai a analogia para nossa vida superior.
Também aqui, no domínio do espírito ¬– uma grande possibilidade da natureza, a psicologia humana com toda a riqueza de suas virtualidades latentes; a inteligência, o sentimento, a atividade. Também aqui deixai todas estas virtualidades em seu estado bruto, nativo, – tereis o homem selvagem – o bárbaro, o inculto. Aplicai-lhes o esforço, o trabalho que fecunda a natureza e desenvolveis as suas forças originais, tereis o homem culto ou cultivado.”

Como pode-se ver, haverá um você antes e um você depois deste livro; realmente é algo precioso.

Prefaciador: Sidney Silveira

O Método Pedagógico dos Jesuítas

Outro livro pedagógico, porém, com um teor bastante diferente, no qual o autor analisa e nos introduz na filosofia educacional Jesuíta. Aquela mesma pedagogia que formou centenas de gênios e dezenas de Santos; elevando a virtude intelectual, em um grande número de alunos, a patamares muito elevados. Em seguida, expõe todas as regras e leis do plano de estudos dos Jesuítas a famosa “Ratio Studiorum”.

Informações técnicas:
– Páginas: 230
– Capa: Brochura
– Miolo: Em papel creme
– Tamanho: 21cmx14cm

Fiquemos aqui com o início do livro para termos uma noção do tamanho do mérito educacional dos Jesuítas:

“No desenvolvimento da educação moderna o Ratio Studiorum ou Plano de Estudos da Companhia de Jesus desempenha um papel cuja importância não é permitido desconhecer ou desprezar. Historicamente, foi por este Código de ensino que se pautaram a organização e a atividade dos numerosos colégios que a Companhia de Jesus fundou e dirigiu durante cerca de dois séculos, em toda a terra. Ordem consagrada ao ensino pela Constituição escrita por seu próprio fundador, a Companhia, onde quer que entrava a exercer os seus ministérios, instituía logo e multiplicava rapidamente os seus estabelecimentos de ensino. Em 1750, poucos anos antes da sua supressão (1773) por Clemente XIV, a Ordem de Inácio dirigia 578 colégios e 150 seminários, ao todo 728 casas de ensino.

Esta imensa atividade pedagógica, com a sua incoercível influência e espontânea irradiação sobre outros colégios e outros sistemas educativos que se iam formando e desenvolvendo ao seu lado, não pode deixar de oferecer ao historiador da educação brasileira ocidental um interesse de primeira importância.
Pedagogicamente, a aplicação do Ratio foi coroada, em toda a parte, de um êxito incontestável. Confessam-no todos os escritores desapaixonados, ainda os menos simpáticos aos jesuítas. E se a arvores se conhece pelos frutos, aí estão ele numerosos e sazonados, a atestar-lhe a boa seiva e fecundidade. Não só a obra educativa dos colégios da Companhia foi um dos fatores mais eficientes da contrarreforma católica senão que também a ela se acha ligada grande parte da aristocracia intelectual dos últimos séculos.

Na França, S. Francisco de Sales, Corneille, Moliére, Fontenelle, Descartes, Bossuet, Montesquieu, Malesherbes, Rosseau, La Condamine, Diderot, Buffon, Lagrange, Richelieu, Condé, Cauchy, Fleury, Lamartine, Foch; na Espanha, S. João da Cruz, Cervantes Calderón, Lope de Vega, José Zorrilla, Ruben Dario, Ramon Jimenes; na Itália, Tasso, Alfieri, Vico, Goldoni, Segneri, Bartoli, Prospero Lambertini (Bento XIV); na Bélgica, Justo Lipsio; na Irlanda, O’connel, em Portugal e na América Latina, Antônio Vieira, João de Lucena, Baltazar Teles, Zorrilla de S. Martin, para não lembrar senão estrelas de primeira grandeza, saíram dos Colégios da Companhia.

Estudar, portanto, um sistema pedagógico que tem em seu abono a prova decisiva de uma experiência multissecular é empreender um trabalho com a segurança dos resultados mais positivos, com a certeza de deparar muitos destes elementos da pedagogia perene, que mergulha as suas raízes nas profundezas da própria natureza humana? Quantos problemas agitados pelos educadores modernos, encontrariam talvez, num princípio ou numa sugestão do Ratio, a inspiração bem vinda de uma solução feliz?
A história e a ciência da educação têm, portanto, no Plano de Estudos da Companhia de Jesus, um instrumento de trabalho de primeira necessidade e de incontestáveis vantagens.”

Depois de uma introdução bastante precisa sobre a ciência pedagógica jesuítica, Leonel Franca expõe as leis, as regras, os preceitos do plano de estudos oriundo dessa ciência, que ficou conhecido mundialmente como a “RATIO STUDIORUM”.

Como pode-se ver é um projeto bastante audaz, como de costume; mas é mais um projeto essencial para a reconstrução da educação do Brasil, para a forja de uma nova, ou digamos restaurada, pedagogia.

Vamos com tudo para cima da má pedagogia, vamos vencer está batalha. Colabore, leia os livros, dê de presente; enfim, mova-se, mexa-se, remexa-se e façamos diferença neste panorama cultural.

Sobre a entrega dos livros:

A entrega dos livros ainda está em definição, com previsão para o início de 2019.

Prévia das palestras

Palestras do II Congresso de Educação Liberal realizado em Porto Alegre em 2017.

Sidney Silveira - Santo Tomás e a Companhia de Jesus

Marcus Boeira - A Escola de Salamanca e as Artes Liberais

Rodrigo Naimayer - Educação Medieval x Educação Renascentista

Clístenes Hafner Fernandes - A Ordem dos Estudos na Educação Domiciliar (Homeschooling)

Cadastre-se aqui para receber informações da campanha!

×
×

Carrinho